quarta-feira, 27 de março de 2013

[RESENHA] O Inferno de Gabriel - Sylvain Reynard


Sinceramente, clichê é algo que não me incomoda. Juro. Quando um determinado autor ou autora sabe usar de forma coerente e interessante, não vejo problema algum. Porém, a quantidade de livros aonde os autores vêm usando e abusando dos clichês de forma absurda é enorme! E "O Inferno de Gabriel" está entre esses livros que usam e abusam, tornando-o um livro chato e repetitivo.

Edição: 1
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580411263
Ano: 2013
Páginas: 512

Nota: (1,5/5)

Enigmático e sedutor, Gabriel Emerson é um renomado especialista em Dante. Durante o dia assume a fachada de um rigoroso professor universitário, mas à noite se entrega a uma desinibida vida de prazeres sem limites. 
O que ninguém sabe é que tanto sua máscara de frieza quanto sua extrema sensualidade na verdade escondem uma alma atormentada pelas feridas do passado. Gabriel se tortura pelos erros que cometeu e acredita que para ele não há mais nenhuma esperança ou chance de se redimir dos pecados.


Julia Mitchell é uma jovem doce e inocente que luta para superar os traumas de uma infância difícil, marcada pela negligência dos pais. Quando vai fazer mestrado na Universidade de Toronto, ela sabe que reencontrará alguém importante – um homem que viu apenas uma vez, mas que nunca conseguiu esquecer. 
Assim que põe os olhos em Julia, Gabriel é tomado por uma estranha sensação de familiaridade, embora não saiba dizer por quê. A inexplicável e profunda conexão que existe entre eles deixa o professor numa situação delicada, que colocará sua carreira em risco e o obrigará a enfrentar os fantasmas dos quais sempre tentou fugir. 
Primeiro livro de uma trilogia, O inferno de Gabriel explora com brilhantismo a sensualidade de uma paixão proibida. É a história envolvente de dois amantes lutando para superar seus infernos pessoais e enfim viver a redenção que só o verdadeiro amor torna possível.




Julia é uma estudante de mestrado em Dante. Seu professor é Gabriel Emerson. Gabriel é especialista em Dante. Sim, sabe tudo sobre o tal Dante e possui uma personalidade arrogante, egoísta e fria. Todos os seus alunos o temem de alguma forma. Gabriel possui um passado sombrio que além de atormentá-lo, faz com que pareça uma pessoa desumana. 

Julia já havia se apaixonado por Gabriel aos dezessete anos e ele mal sabe disso. Ele sabe que há algo nela que mexe consigo mesmo de alguma forma. Pelo fato de não compreender tais sentimentos, ele age em diversos momentos de forma agressiva e arrogante.

Aos poucos, algo surge entre ambos e um sentimento puro nasce entre eles. Ambos possuem um passado que os atormentam e tentarão, de alguma forma, encontrar o perdão e o conforto do mesmo, um no outro.

"(...) ele me mostrou que um voto é a promessa que o marido faz de que irá amar sua esposa e não só usá-la para o sexo. Ele disse que esse voto expressava a ideia de que fazer amor é um ato de veneração. O marido venera a esposa com seu corpo ao amá-la, se entregar a ela e levá-la ao êxtase.".

Pág.: 424 


Eu estaria mentindo se dissesse que gostei do livro? Sim. "O Inferno de Gabriel" é o tipo de livro que você gosta ou simplesmente não gosta. Eu particularmente não gostei. Já tinha planos de lê-lo há um tempo atrás, devido a muitos elogios que havia lido sobre o mesmo. Não foram altas expectativas ou ansiedade que me fizeram não gostar da história no geral. Não. Foram vários elementos repetitivos e incoerentes que me fizeram ter tal opinião.

O romance é o foco principal da história e acredito que só a sinopse já dá essa ideia ao leitor. Porém, o romance é demasiadamente surreal, chato e repetitivo. Eu amo romances. Sou uma pessoa que sempre entre uma leitura e outra, preciso ler ao menos um. Mas a forma como o autor (ou autora?) construiu o romance foi da pior maneira possível. Eu já sabia exatamente o que aconteceria em seguida, o que tais personagens fariam... Enfim, completamente previsível da pior forma possível. 

Julia foi a personagem mais inexpressiva, sem atitude e sem carisma que eu pude conhecer através da leitura. Gabriel em muitos momentos a tratou de maneira grossa e rude, e a mesma simplesmente aceitava tudo e ainda continuava perdidamente apaixonada por ele. Não sei qual o que certos autores pretendem ao fazer com que protagonistas ajam desta forma, mas o que fica explícito para mim é que querem passar a imagem de que "mulheres dominadas" conseguem e podem ser feliz, distorcendo totalmente a realidade. Elas não possuem um pouco de amor próprio e praticamente não se valorizam. Discordo totalmente desse pensamento e acho que foi por isso que me irritei bastante durante a leitura.

A única personagem que me convenceu em poucos momentos foi Gabriel. O seu passado sombrio me convenceu de alguma forma, mas não foi o suficiente para me fazer gostar e torcer por ele, até porque em muitos momentos, ele me irritou bastante, principalmente a forma como ele agiu antes e depois de saber que estava apaixonado por Julia. 

O enredo em si não é original e nem muito menos interessante. A narrativa é um dos poucos pontos positivos (se não o único) do livro. Foi justamente a narrativa que me fez continuar e conseguir (com muito esforço) concluir a leitura. 

Concluindo, ficou bastante evidente que não foi uma leitura satisfatória. Não sei se lerei o segundo livro "O Julgamento de Gabriel". Dependendo da sinopse, pode ser que eu dê uma chance à série. Portanto, se você tem curiosidade, leia e tire suas próprias conclusões. Caso contrário, não acredito que seja uma boa ideia lê-lo. Provavelmente a história não te agradará também. 

Fica a dica!


28 comentários:

  1. Olá Leandro,

    Esse livro não faz o meu estilo de leitura, mais a sua resenha esta ótima...parabéns...abçs.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Leandro!
    Entendo completamente que o livro possa ter te desagradado, ainda que eu tenha gostado.
    Você não foi o primeiro que eu vi que não gostou do livro e ele é realmente bem clichê.
    O único ponto que discordo de você é sobre a questão da Julia continuar apaixonada pelo Gabriel mesmo com ele a maltratando. Eu concordaria com você se fosse o caso de ela tê-lo conhecido naquele momento, mas, aqui, o que faz com que ela fique presa ao sentimento é o passado dela em comum com ele. Ela é apaixonada pelo que ele representa para ela e pelo que ela se lembra dele, e não pelo Gabriel que a maltrata, tanto que ela mesma se sente em conflito sobre isso.
    De qualquer maneira, a personagem também me irritou, principalmente no começo da história, eu cansei de ler todos os "desculpa" que ela vivia pedindo hehe!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece ser bastante interessante
    E bem intrigante

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Oi Leandro ouvi falar muito do livro mas não me dispertou interesse.Algumas vezes me sinto como se tivesse um sexto sentido em relação a livros,ai eu entro aqui pra ver se você já resenhou, e tomar uma opinião se vou ou não arriscar, pelo que vejo em algumas obras que agente já leu( eu e Vc) temos um gosto parecido, então eu vejo uma rezenha como está tenho certeza de que não vou perder o meu tempo.
    Mais uma vez obrigada.
    Um grande abraço. Dani

    ResponderExcluir
  5. Também não me incomodo com clichês. Não me incomodo MESMO. Eles não seriam clichês caso não posuissem algo de bom, né? John Green é a prova de que eles podem ser usados a favor do autor... É uma pena que nem todos consigam fazer isso.

    ResponderExcluir
  6. Oi Lê!

    Fiquei um pouquinho decepcionada agora,esperava mais do romance,mas fato é que histórias previsíveis são realmente chatas.Talvez algum eu leis ara tirar minhas próprias conclusões.

    Bjos

    www.roubandolivros.com

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente contigo. Se o clichê for bem escrito e coerente com a trama, não vejo problema algum e até gosto! :)
    Que pena você não ter gostado do livro. Eu havia achado a sinopse interessante, li algumas resenhas positivas, mas ainda assim não fiquei louca de vontade de lê-lo. =/
    Boa resenha!

    Beijocas.
    http://artesaliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Sério que você não gostou, vi tantos comentários positivos a espeito dessa série e estava todo empolgado pela leitura.
    Se bem que concordo com você sobre os Clichê, já estou cansado de encontrar livros com os mesmos temas e objetivos o autor é que tem que fazer a diferença =)

    Abraços.
    Guilherme.
    http://umcompulsivoleitor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Nossa uma pena que você não gostou.
    Já faz muito tempo que quero ler esse livro e estou em uma busca desesperada por ele, espero conseguir lê-lo em breve.
    Quanto a questão cliche não me importo desde que o enredo seja satisfatório.

    http://soubibliofila.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  12. Oi Leandro,
    Uma pena você não gostado do livro, e sempre muito chato quando isso acontece.
    Com relação a sua resenha, eu gostei bastante dela, já que foi a primeira negativa que li, sobre “O Inferno de Gabriel”, e de alguma forma, ela me deixou mais curiosa e com vontade de ler o livro.

    *bye*

    http://loucaporromances.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oi Lê! Já te disse que adoro tua sinceridade? Pois é, e me identifico muito com suas resenhas! Eu também não sou contra clichês, mas acredito que todo clichê deva ter um diferencial, que seja bem trabalhado, sabe, por que fica completamente chato a mesma coisa sempre. Não sou muito de 'clichês' mas gosto dos bem trabalhados e que saibam inovar, dentro dos limites impostos.

    ResponderExcluir
  14. Oi quero muito ler esse livro!!!
    Bjs aproveita que esta rolando pormo no blog:
    http://resenhasteen.blogspot.com.br/2013/03/promocao-anjo-de-quatro-patas.html

    ResponderExcluir
  15. Não sabia que O Inferno de Gabriel era um caso de ame ou odeie!
    Espero amar então!
    Abraço,
    Vinícius - Livros & Rabiscos

    ResponderExcluir
  16. Hey Leandro, tudo bom??
    Bom, eu nunca tive vontade de ler este livro. Primeiro por que não gosto de eróticos, e esse livro parece mil outros que eu já vi e/ou li, então não tive vontade.
    Aliás, adorei sua resenha! É sempre bom vir com sinceridade falar dos livros, e fico feliz por ter expressado por que não gostou. Mesmo com mil resenhas positivas pra este livro, eu prefiro muito mais sua resenha sincera!

    Beijos!
    www.nathlambert.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Parabéns pela resenha Leandro! Ganhei O Inferno de Gabriel em uma promoção e estou ansiosa para ler. Espero não me decepcionar. Abraço!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  18. Poxa que pena que o livro não é o esperado, isso é triste. Mas vc esta de parabéns como sempre seu texto ficou bem explicado, claro e objetivo. Adorei!!!!

    Leituras, vida e paixões!!!!

    ResponderExcluir
  19. Oi Lê! Foi a primeira resenha negativa que vi deste livro, e gostei muito de ver uma opinião diferente. Desanimei um pouco ao saber sobre o jeito cansativo dos personagens, gosto quando eles nos fazem vibrar, não passar raiva. Ótima resenha, deu uma nova visão deste livro.
    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  20. Oi Leandro!
    Acho que foi a primeira resenha "negativa" que li do livro e, se antes eu já não estava animada para ler, agora tô menos ainda. Desde que li a sinopse eu tive a impressão de que não iria curtir a história. Sabe aquela história de ir imaginando como é e perceber que ele não vai agradar? Foi o que aconteceu comigo!
    Adorei sua resenha! Admiro blogueiros que são sinceros! Parabéns!
    Beijos
    http://coisasdemeninasarteiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  21. Leandro, eu concordo contigo. Até porque, quando a quantidade de obras que temos à disposição atualmente, fica até difícil fazer algo totalmente novo, mas é preciso saber dar seus próprios toques à obra. A sinopse em si já não tinha me despertado interesse, e depois da sua resenha então, tenho certeza que não leria.
    beijinhos

    Hipérboles
    @hiperbolismos

    ResponderExcluir
  22. Hey Leandro!
    Hmmm eu já vi muita gente falando sobre gostar ou não do livro, é uma coisa que depende de cada pessoa. Eu ainda continuo ansiosa,depois da sua resenha, mas agora não vou ter tantas expectativas, porque geralmente quando eu tenho, nunca suprem tais expectativas rsrs

    WOOOOW voce curte a rainha da fofoca também, que bacana :DD
    Um beeijo!
    Pâm
    http://interruptedreamer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  23. Também detesto essas protagonistas abobalhadas que estão na moda ultimamente e romances surreais, que não convencem.

    Beijos, Entre Aspas

    ResponderExcluir
  24. Oi Leandro,
    Essa é primeira resenha que leio que uma pessoa não gostou, isso é bom porque não crio expectativas surreais.
    Pretendo ler o livro em breve para ter uma opinião também.
    Gostei bastante da sua resenha.
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  25. Oi Leandro!
    Adoro sua sinceridade, vi muito elogios e pontos negativos, mas ainda não li o livro pra comentar.
    Mesmo com seus argumentos ainda pretendo ler e tirar a prova.
    Beijos
    Amanda
    leiturahot.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Hey,
    nunca senti vontade de ler esse livro, e ler sua resenha só diminuiu mais ainda minha vontade. Desde quando li a sinopse pela primeira vez vi que não faz meu "estilo literário". Bem, admiro sua sinceridade, haha.

    Bye,
    Iasmin - Febre Literária.

    ResponderExcluir
  27. Oi pra o Leandro e para os demais que postaram aqui sua opinião!
    Eu, realmente gostei do livro "O Inferno de Gabriel". Embora tenha ma linha de 'enredo' parecido com a famosa trilogia "50 Tons", considerei esse melhor e ao mesmo tempo, diferente.Não sei se é devido á analogia feita ao romance utópico de Dante Alighieri, que traz consigo um pouco da literatura medieval; não sei se por conta de, num mundo de 'amores drive-thru' e fáceis, o autor coloca a questão da inocência, do amor verdadeiro, do amor em suas três faces: amor "Eros, amor Agape, amor Fileo...GOSTEI e recomendo a quem me perguntar!
    Boas leituras a todos!!

    Valéria (rvm_f@yahoo.com.br)

    ResponderExcluir
  28. Oi Leandro!
    Nada como uma resenha sincera!
    Vou te falar, essa enxurrada de romances eróticos está me cansando um pouco, acho que eles nem tem mais da onde tirar e inventar histórias, pois no fim acaba sendo sempre a mesma coisa...
    A sinopse não havia me atraído e agora com sua resenha, vou passar longe desse livro rs

    Beijos!

    ResponderExcluir

Comente com moderação!